O secretário de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco, José Bertotti, esteve na semana passada no Arquipélago de Fernando de Noronha para discutir com a administração local as ações para redução da emissão de gás carbônico previstas para 2020, dentro do projeto Noronha Carbono Zero. O projeto contempla ações de ampliação da geração de energia solar; mobilidade urbana, com a circulação apenas de veículos elétricos; e tratamento de resíduos sólidos, em parcerias com empresas privadas, empreendedores locais e instituições públicas e privadas.

O projeto Noronha Carbono Zero está inserido nas políticas do governo do estado de mitigação e adaptação às mudanças climáticas, especialmente no que diz respeito ao incentivo do uso de energias limpas e sustentáveis e à diminuição das emissões de gases de efeito estufa. Ele tem como uma de suas âncoras a Lei 306/2019, sancionada em janeiro passado pelo governador Paulo Câmara, que proíbe a entrada, circulação e permanência de veículos a combustão no arquipélago.

Segundo a nova legislação, a partir de 10 de agosto de 2022 nenhum meio de transporte emissor de dióxido de carbono (gasolina, álcool e óleo diesel) entrará na ilha. Até 2030, a frota circulante no arquipélago será apenas de veículos elétricos. A administração de Noronha quer instalar 19 pontos de abastecimento para veículos elétricos, em um ano. Até o momento, a ilha conta com seis pontos de carregamento dos carros elétricos.

Assim, Fernando de Noronha se tornará em breve o primeiro lugar no Brasil a banir carros a combustão. A lei, entretanto, não se aplica a embarcações, aeronaves, tratores e outros veículos automotores assemelhados, destinados a puxar ou arrastar maquinaria, executar trabalhos de construção ou de pavimentação, serviços portuários e aeroportuários.

Na avaliação de José Bertotti, “Noronha é exemplo de sustentabilidade e o objetivo é avançar cada vez mais nesses projetos, com a administração da ilha e um conjunto de secretarias do estado, para preservar o meio ambiente”. Ele adiantou ainda que uma das metas do governo é tornar a energia da ilha completamente renovável “e, para isso, será necessário estruturar a política energética”.

José Bertotti (à direita) com o administrador geral de Noronha, Guilherme Rocha, no Porto de Santo Antônio. Foto: Divulgação

Plástico Zero

Durante a visita ao arquipélago, o secretário estadual de Meio Ambiente esteve na sede da Companhia Energética de Pernambuco (Celpe) e nas usinas Tubarão e Solar. Bertotti visitou ainda a Usina de Tratamento de Resíduos Sólidos de Noronha, onde conheceu o processo de reciclagem de 100% do vidro descartado na ilha. Esteve também no Centro de Engajamento Noronha Plástico Zero, “um espaço de educação ambiental para os moradores e visitantes da ilha que traz a reflexão sobre o descarte consciente dos resíduos e a sustentabilidade”, afirmou o secretário.

Segundo o site do projeto Noronha Plástico Zero, a ilha fez história ao se tornar o primeiro território brasileiro a banir todos os principais plásticos e similares descartáveis: copos, canudos, pratos, talheres, sacolas, embalagens de isopor, embalagens e garrafas PET de até 500 ml. O programa é uma parceria entre a administração da ilha/Governo de Pernambuco, Menos 1 Lixo, Iônica e Grupo Heineken.

Requalificação do porto

O gestor estadual visitou também as obras de requalificação do Porto de Santo Antônio inauguradas no final de janeiro, que beneficiam turistas e moradores. “Com um investimento em torno de R$ 6 milhões, a obra contemplou serviços de recuperação, requalificação e reforço do cais de atracação/comercial, terminal de passageiros e elementos de apoio”, explicou.

Durante os três de visita a Fernando de Noronha, o secretário de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco esteve acompanhado do administrador geral do arquipélago, Guilherme Rocha, e de assessores da pasta. “O Arquipélago de Fernando de Noronha, um patrimônio da humanidade, tem avançado muito com as parcerias na área de Meio Ambiente e Sustentabilidade, e no cumprimento das metas na área de Carbono Zero”, destacou Bertotti.

Do Recife, Audicéa Rodrigues com informações da imprensa local